Blog

food adolNão há dúvidas que a participação de adolescentes em atividades esportivas é de fundamental importância no processo de crescimento e desenvolvimento, prevenção de obesidade, diabetes e hipertensão, além de atuar positivamente como atividade de lazer e integração social. No entanto, a competitividade tem se tornado cada vez maior entre jovens, que muitas vezes sem alcançar todo o potencial de crescimento, são submetidos a programas de treinamento intensos, com conseqüências negativas à saúde.

Para garantir o aporte nutricional para este público, é fundamental que o crescimento seja monitorado e que seja investigada a ingestão alimentar e presença de possíveis carências nutricionais. Para avaliação do crescimento, o padrão de referência é o mesmo para a população de adolescentes não atletas - NCHS, 2000.

No que diz respeito ao aporte energético, sabe-se que jovens atletas são afetados pelo desequilíbrio energético, o que pode ocasionar baixa estatura, atraso puberal, deficiência de nutrientes, desidratação, irregularidade menstrual, alterações ósseas, maior incidência de lesões e maior risco para o aparecimento de distúrbios alimentares. No entanto, a necessidade energética dessa faixa etária não é determinada em estudos científicos. Pode-se estimar as necessidades calóricas para o crescimento e desenvolvimento normais, mas deve ser priorizada a soma do gasto com a atividade física, que é tido a partir do grau e da intensidade de atividade praticada (tipo de esporte praticado, freqüência, duração, participação ou não em competições). A distribuição de macronutrientes pode ser a seguinte: 55 – 60% da energia total na forma de carboidratos, 12-15% de proteínas e 30% de lipídios.

Deve ser priorizado o fornecimento de carboidratos, preferencialmente os complexos (40 - 45% das calorias) e em menor expressão os simples (10 - 15%). Estudos mostram que as necessidades protéicas de jovens são maiores do que as de adultos sedentários, porém não há estudos específicos que concluam a quantidade ideal deste nutriente. Sugere-se 2 g/kg/dia para adolescentes, o que equivale ao dobro da recomendação para adolescentes sedentários.

Estudos mostram que jovens atletas apresentam níveis mais altos de glicerol no sangue, o que nos leva a crer que existe maior utilização de ácidos graxos livres e menor razão de troca respiratória durante o exercício, indicando maior utilização de gorduras. Sugere-se que a ingestão deste nutriente seja inferior a 30% do VCT.

Devem ser incentivados novos estudos sobre as necessidades nutricionais específicas para jovens atletas, e priorizada ainda a prática da educação nutricional nesta faixa etária, a fim de que seja garantida a saúde e a qualidade de vida.

Fonte: RGNUTRI

Acesso ao Clube